28/06/2008

Por Uma Graça Tua

Por uma graça tua
por uma luz agora antiga
o pranto da noite sem lua
desolo sem despedida

por um momento de ternura
sem dó, nem penas
nem rostos de guerras,
o condeno da clausura

por uma graça tua,
o que corri,
por uma graça tua
fui-me vestindo das formas da vida
e sem saber estava nua.

6 comentários:

~pi disse...

brevemente

[ cheia de

graça



~

heretico disse...

uma gracinha. nua!

muito bonito. o texto. claro...

nana disse...

" para atravessar contigo o deserto do mundo
para enfrentarmos juntos o terror da morte
para ver a verdade para perder o medo
ao lado dos teus passos caminhei

por ti deixei meu reino meu segredo
minha rápida noite meu silêncio
minha pérola redonda e seu oriente
meu espelho minha vida minha imagem
e abandonei os jardins do paraíso

cá fora à luz sem véu do dia duro
sem os espelhos vi que estava nua
e ao descampado se chamava tempo

por isso com teus gestos me vestiste
e aprendi a viver em pleno vento
"


*(sophia)*




..




saudades de tua escrita!

Vash disse...

a tua ausência transformou a tua escrita. não em estilo, mas no seu núcleo. sombrio e frio, em pleno verão.

"fui-me vestindo das formas da vida
e sem saber estava nua." - brilhante!

é bom ter de volta as tuas palavras.

*

rosasiventos disse...

fogo

PARTO pergaminho

manhã fresca luz de ti sangue

meu nu fruto

TERRA

rosasiventos disse...

habita nua

a luz

lu n ar