11/05/2008

Tenho um cão chamado totó

Batiam as palmas ao som frenético da ladaínha,

"Tenho uma boneca quié da mamã
tenho uma boneca quié do papá
tenho uma boneca quié do irmão
tenho uma boneca quiés tu

Quem tem medo do lobo mau?

Tanhum cão chamado totó
limpama casa, limpamo pó
a dona da casa é a minhávó!
Tenho uma vizinha chamádaInês
ela mora na casa númro trintaetrês"

Atiravam a garrafa de plástico ao cão
fazia barulho a arrastar pelo chão.

A tarde podia ser de chuva ou de sol
que não pára o riso,
a corrida das crianças.

Entre as partículas de água
de chuva pulverizada
revejo o cheiro e o som
devolvo a energia e a leveza
ciente do espaço da mágoa.

Tenho um cão chamado totó
Limpa-me a casa, limpa-me o pó
A dona da casa é a minha avó.

Tenho uma vizinha chamada Inês
Ela mora na casa número Trinta e Três.

Só o amor nos pode devolver o riso de criança,
fazer de conta não adianta.