26/09/2007

Impossível Ousadia

impossível ousadia
caminhar, consciente
para o amor fracassado

Mais que amor,
que o amor terno,
a loucura,

matar ou morrer por amor
matar e morrer de amor

ousadia surreal
de tão impossível
ousadia

malfadado arrojo,
inútil alienação
fado que se não cumpriu

matar e morrer por amor
matar e morrer de amor

impossível ousadia
ter algum dia ousado o amor



* * *



4 comentários:

Subterranian \ Ultravioleta disse...

isto parece-me desesperado. e um pouco esquizofrénico, no bom sentido (aquele sentido mais esquizofrenico-pollock do que o esquizofrenico-de-trancar-à-chave). e gostei dele por isso, pela inevitabilidade com que ele parece surgir.

Stella Nijinsky disse...

Thanks!
;-)

vash disse...

É triste, já ninguém morre por amor.
Gostei sobretudo da frontalidade e, até certo ponto, da dor que as palavras carregam e, como disse o nosso amigo infra, do tom de desespero que todo o poema comporta.
É uma impossível ousadia, mas também é impossível não ousar.

nana disse...

viver de amor...
sempre.

por maior a morte.