14/06/2007

Ela

Sabemos muitos de nós da dimensão do sofrimento, lá dentro.
Sofrimento pelo amor, sofrimento adentro escava-se um túnel onde se viaja a alta velocidade e que não pára.

Sofrimento pela morte, bruto pára no tempo e fica estático, nem sequer inerte.
O primeiro leva tempo a interiorizar e leva a que a todo o tempo se puxe no sentido oposto, para contrariá-lo;
O segundo atinge-nos com a inexorabilidade do raio disparado pelas nuvens em choque com a terra.

Sem comentários: